Já aqui foi referenciado o excelente trabalho de Miguel Cardoso ao comando do Rio Ave. A qualidade de jogo da equipa de Vila do Conde impressiona a cada jogo que passa, e com certeza tenderá a evoluir todas as semanas. Paciência na fase de construção, com saída desde o guarda-redes, jogadores a associarem-se em qualquer corredor, apoios frontais, liberdade para a criatividade individual. Uma equipa anti-chutões para a frente, que em nada favorecem o jogo de futebol – seja para quem joga, seja para quem está assistir o jogo.

No fim de contas, o trabalho do treinador será na minha perspectiva fazer com que os jogadores desfrutem. Desfrutem de cada momento de treino, de cada momento do jogo. Valoriza-los, fazer potenciar qualidades, entregar a criatividade também aos jogadores. Não modelar o jogo por padrões, mas sim um conjunto de princípios inerentes a todos dentro do caos, dentro da liberdade individual. Para os fazer crescer. Exponenciar qualidades técnicas e de decisão para quem joga evoluir, para quem joga conhecer mais o jogo de futebol. Com certeza, e independentemente da tabela classificativa, os jogadores do Rio Ave serão valorizados. Mais conhecedores do jogo.

Como  já comentou Pep Guardiola, ao referir-se a Marcelo Bielsa, que o argentino é  o melhor treinador do mundo porque torna os jogadores melhores. Faz os jogadores evoluir e conhecer o jogo. Ensinar o jogo! Mesmo em contexto sénior de alto rendimento.

Quem melhor para falar sobre os processos e aquilo que sente ao jogar desta forma? Os jogadores pois claro. Em baixo as palavras de Tarantini sobre o Rio Ave comandado por Miguel Cardoso.

“Se gosto deste estilo? Posso dizer que é o ano em que me dá mais prazer jogar futebol. Com este plano sentimos que podemos jogar a este nível. Se o Rio Ave quer projetar jogadores, esta é uma boa forma de quem nos vê, saber que é por aqui que pode contratar. É um plano que agrada muito, pessoalmente e sei que à equipa também.”

“As equipas têm de ter respeito. Quando nós conseguimos fazer o nosso jogo é muito difícil contrariá-lo. Os erros na construção? Até nos treinos acontece. Sabemos que vamos errar, como hoje aconteceu, mas podemos corrigir na jogada a seguir. Queremos um jogo pensado, a aproveitar a qualidade do nosso jogo. Queremos ter o poder sobre o jogo e a espaços com qualidade.” – Tarantini